O bandeirante que deu forma ao Brasil

antónio raposo tavares// Bandeirante // Mértola, 1598 São Paulo, 1598 //

A história parece apontar sempre para o mar. Falar sobre os grandes exploradores portugueses dos séculos XV a XVII traz sempre à conversa barcas, naus ou caravelas. Acontece, porém, que também se fez história de pés assentes em terra firme.

António Raposo Tavares, alentejano de Mértola, tinha 20 anos quando atravessou o Atlântico rumo ao Brasil, a acompanhar Fernão Vieira Tavares, seu pai, nomeado governador da capitania de São Vicente. Para trás ficara a madrasta, cristã-nova, presa pela Inquisição sob acusação de judaísmo – detalhe importante no que se viria a seguir.

Em 1622, fixou-se em São Paulo, onde foi feito capitão de ordenança – e de onde terá partido, cinco anos mais tarde, na sua primeira expedição ao interior do território. Nessas viagens de reconhecimento, chamadas «bandeiras», importava não só bater terreno como também, e sobretudo, a captura de índios (leia-se, escravização) e a busca de metais preciosos. Mas havia outra motivação: expulsar os jesuítas espanhóis que se foram instalando em zonas fronteiriças, uma ameaça iminente de ocupação castelhana.

Raposo Tavares comandou a sua primeira bandeira em 1628, onde nasceu a sua fama de matador de padres. Ao exterminar os jesuítas, não só repelia a ameaça de ocupação espanhola do território como dava lume a um velho ressentimento que trazia de Portugal.

Foi com essa missão que Raposo Tavares comandou a sua primeira bandeira em 1628, rumo ao Guairá (hoje parte do Paraguai). Começava aí a sua fama de matador de padres, apodo do qual o próprio se distanciou, justificando-se, em carta, com a autoridade moral que lhe «davam os livros de Moisés». Esta passagem, vista como assunção de judaísmo, confirma um ressentimento para com a igreja que já se adivinhava – para mais, sabendo-se que a Companhia de Jesus era comissária da Inquisição na América.  

De regresso a São Paulo, em 1633 foi nomeado juiz e, pouco depois, ouvidor da capitania. Nesse mesmo ano, participou na violenta expulsão dos jesuítas de um aldeamento vizinho, o que lhe valeu a excomunhão. Coisa que não o demoveu: em 1636 e 1637, três bandeiras à província dos Tape (atual Rio Grande do Sul) arrasam mais umas quantas reduções dos religiosos.

A maior odisseia da expansão terrestre de Portugal durou quatro anos. De um contingente inicial de 1200 homens, regressaram apenas 58, comandados por um Raposo Tavares tão desfigurado que nem a família o reconheceu.

Entretanto, dá-se o ataque holandês a Baía, e Raposo Tavares integra a armada (e o lote de sobreviventes) de uma frustrada tentativa de repelir o invasor. Em 1642, regressa ao reino, onde recebe a missão mais importante da sua carreira, que viria a ficar conhecida como Bandeira dos Limites.

Com a incumbência de encontrar metais preciosos, novos sertões e rios que unissem o Sul paraguaio ao Norte amazónico – e, de caminho, o ocasional ataque a reduções jesuítas do Itatim (Mato Grosso) e cidades espanholas –, Raposo Tavares parte de São Paulo em 1647, com um contingente de 1200 homens. Descem o rio Tietê até ao rio Paraná, atacam as principais missões jesuítas de Itatim, e alcançam o rio Paraguai, seguindo depois até às faldas orientais dos Andes. Exploram a fundo a região entre as cidades de Potosí e Santa Cruz de la Sierra (atual Bolívia), e, em meados de 1650, encetam a etapa final da expedição, seguindo os rios Mamoré, Madeira e, por fim, o Amazonas, já reduzidos a poucas dezenas de homens, esfarrapados e exaustos.

Em Fevereiro de 1651, Raposo Tavares chega a Gurupá, na foz do Amazonas, com apenas 58 homens a seu mando e de tal forma desfigurado que nem a família o reconhece. Terminava, então, aquela que é considerada a primeira viagem de reconhecimento geográfico no Brasil, com mais de 10 mil quilómetros percorridos entre pântanos, rios caprichosos, cobras e insectos, floresta densa e tribos hostis. Metais preciosos, nem vê-los. Mas a Coroa acabou por lucrar não só a expulsão dos jesuítas espanhóis como os territórios de Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Mato Grosso, bem para lá da linha de Tordesilhas. Para a história, ficou a maior odisseia da expansão terrestre de Portugal.


Artigo originalmente publicado na edição de Julho de 2016 da revista Volta ao Mundo, actualizado em Janeiro de 2020.



Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s